sábado, 17 de janeiro de 2015

Silêncio gritante...




Respira uma agonia a contorcer,
Pela casa assombra o silêncio...
Na falta de seu barulho, emocional,
Na falta de seu entulho, emocional,
Na falta de seu encontro, emocional.

Seu jeito meio gritos pra parede,
E cinzas de cigarros pelo chão...
Na falta do que dizer consigo mesma,
Sobre a falta que sente, 
De uma esperança que espera...

Uma esperança espoleta que pule,
Nesse silêncio desconcertante...
Meio que consentido, que tolerado, 
Meio de canto de olho,
E olhando pra todo lado.

Silêncio cômodo de quem calou,
Já por preguiça de falar demais,
Chorar demais, esperar demais...
Por um barulho que faça sentido,
Pra ser sentido e trazer sentido.

Silêncios são difíceis de se decifrar...


Nenhum comentário:

Postar um comentário