domingo, 3 de julho de 2016

Letra largada...



Faz tempo que não me vejo 
No espelho que vem da escrita. 
Faz tempo que não te conto segredos inventados... 
Verdades exageradas, e contos de devaneios 
Da minha imaginação.
    
Faz tempo que me calei pro mundo que eu criei...
São estações quietinhas de pura introspecção.
Boca calada e mente confusa...
Um quebra cabeça da inquietação.     

Aqui estou, acumulando rascunhos,
Nos dias que passam e apagam...
Mas já não me reconheço naquela letra largada,
De quem não quer se mostrar.